UFCD 7853 – Ideias e oportunidades de negócio

0.00

Evoluir

Partilhar

Descrição

Apesar dos progressos alcançados nas últimas décadas, no que respeita à qualificação dos portugueses, persiste ainda uma grande carência ao nível da educação, formação e qualificação da população ativa em geral, fenómeno que limita o potencial de inovação e competitividade da economia em Portugal.
Pretendemos, portanto, através da presente formação aumentar a base formativa qualificante dos formandos e promover a empregabilidade da população ativa, designadamente dos empregados (incluindo aqueles que se encontram em risco de perda de emprego) e desempregados, através do aumento da sua adaptabilidade por via do desenvolvimento das competências requeridas pelo mercado de trabalho.


Idade Mínima: 0
Idade Máxima: 0
Situação:
Habilitações Mínimas:
Habilitações Específicas:


Identificar os desafios e problemas como oportunidades.
Identificar ideias de criação de pequenos negócios, reconhecendo as necessidades do público-alvo e do mercado.
Descrever, analisar e avaliar uma ideia de negócio capaz de satisfazer necessidades.
Identificar e aplicar as diferentes formas de recolha de informação necessária à criação e orientação de um negócio.
Reconhecer a viabilidade de uma proposta de negócio, identificando os diferentes fatores de sucesso e insucesso.
Reconhecer as características de um negócio e as atividades inerentes à sua prossecução.
Identificar os financiamentos, apoios e incentivos ao desenvolvimento de um negócio, em função da sua natureza e plano operacional.


Criação e desenvolvimento de ideias/oportunidades de negócio
Noção de negócio sustentável
Identificação e satisfação das necessidades
Formas de identificação de necessidades de produtos/serviços para potenciais clientes/consumidores
Formas de satisfação de necessidades de potenciais clientes/consumidores, tendo presente as normas de qualidade, ambiente e inovação
Sistematização, análise e avaliação de ideias de negócio
Conceito básico de negócio
Como resposta às necessidades da sociedade
Das oportunidades às ideias de negócio
Estudo e análise de bancos/bolsas de ideias
Análise de uma ideia de negócio – potenciais clientes e mercado (target)
Descrição de uma ideia de negócio
Noção de oportunidade relacionada com o serviço a clientes
Recolha de informação sobre ideias e oportunidades de negócio/mercado
Formas de recolha de informação
Direta – junto de clientes, da concorrência, de eventuais parceiros ou promotores
Indireta – através de associações ou serviços especializados – públicos ou privados, com recurso a estudos de mercado/viabilidade e informação disponível on-line ou noutros suportes
Tipo de informação a recolher
O negócio, o mercado (nacional, europeu e internacional) e a concorrência
Os produtos ou serviços
O local, as instalações e os equipamentos
A logística – transporte, armazenamento e gestão de stocks
Os meios de promoção e os clientes
O financiamento, os custos, as vendas, os lucros e os impostos
Análise de experiências de criação de negócios
Contacto com diferentes experiências de empreendedorismo
Por setor de atividade/mercado
Por negócio
Modelos de negócio
Benchmarking
Criação/diferenciação de produto/serviço, conceito, marca e segmentação de clientes
Parceria de outsourcing
Franchising
Estruturação de raiz
Outras modalidades
Definição do negócio e do target
Definição sumária do negócio
Descrição sumária das atividades
Target a atingir
Financiamento, apoios e incentivos à criação de negócios
Meios e recursos de apoio à criação de negócios
Serviços e apoios públicos – programas e medidas
Banca, apoios privados e capitais próprios
Parcerias
Desenvolvimento e validação da ideia de negócio
Análise do negócio a criar e sua validação prévia
Análise crítica do mercado
Estudos de mercado
Segmentação de mercado
Análise crítica do negócio e/ou produto
Vantagens e desvantagens
Mercado e concorrência
Potencial de desenvolvimento
Instalação de arranque
Economia de mercado e economia social – empreendedorismo comercial e empreendedorismo social
Tipos de negócio
Natureza e constituição jurídica do negócio
Atividade liberal
Empresário em nome individual
Sociedade por quotas
Contacto com entidades e recolha de informação no terreno
Contactos com diferentes tipologias de entidades (municípios, entidades financiadoras, assessorias técnicas, parceiros, …)
Documentos a recolher (faturas pró-forma; plantas de localização e de instalações, catálogos técnicos, material de promoção de empresas ou de negócios, etc…)



3 – Formação a distância – E-learning (turma)


AVALIAÇÃO FORMATIVA OU CONTÍNUA
A avaliação formativa ou contínua permite obter informação sobre o desenvolvimento das aprendizagens, com vista à definição e ao ajustamento de processos e estratégias pedagógicas.
Critérios de avaliação formativa:
– a participação e motivação;
– a aquisição e a aplicação de conhecimentos;
– a mobilização de competências em novos contextos;
– o trabalho em equipa/grupo;
– a adaptação a uma nova tarefa;
– a pontualidade e assiduidade.

AVALIAÇÃO SUMATIVA OU FINAL
A avaliação de conhecimentos é composta por uma ou mais provas teóricas e/ou práticas de natureza sumativa. As provas de avaliação sumativa são de caráter individual, realizadas no final da ação de formação, com incidência nas temáticas abordadas no decorrer do curso.
As provas de avaliação de conhecimentos, corrigendas e pautas de avaliação, são concebidas pelo(s) formador(es).
A avaliação sumativa é expressa nos resultados de “Com Aproveitamento” ou “Sem Aproveitamento”, em função do formando ter ou não atingido os objetivos da formação. Considera-se “com aproveitamento” as pontuações iguais ou superiores a 10 valores e “sem aproveitamento” as pontuações inferiores a 10 valores, informação que constará na pauta de avaliação.

ESCALA DE AVALIAÇÃO: Na pauta de classificação final dos formandos e no certificado deve constar a menção qualitativa «com aproveitamento» ou «sem aproveitamento», considerando -se «com aproveitamento» as pontuações iguais ou superiores a 10 valores e «sem aproveitamento» as pontuações menores que 10 valores. As avaliações parciais e finais são pontuadas com base numa escala de 0 a 20 valores.

SERÁ CONSIDERADA FREQUÊNCIA COM APROVEITAMENTO SEMPRE QUE:
– A classificação final seja “Com Aproveitamento”;
– A assiduidade seja igual ou superior a 90% da carga horária total da formação;
– O comportamento seja adequado e ajustado ao local da formação.

Quando a ausência de um formando seja superior a 10% da carga horária total do curso e inferior a 3 sessões de formação, deverá a coordenação verificar os motivos pelos quais o formando faltou e se a avaliação sumativa valida o aproveitamento do formando. Em caso afirmativo, permitirá a certificação do formando, pois estão reunidas todas as condições para a sua aprovação e posterior certificação. Ainda assim, os formandos que tenham aproveitamento na avaliação sumativa, terão também que realizar um trabalho/teste de avaliação extra (escrito, prático ou oral), por forma a recuperar o número de horas que esteve ausente. Estas provas são da responsabilidade do(a) formador(a) e registadas em grelha própria cedida pela entidade formadora.


CERTIFICAÇÃO:
A frequência com aproveitamento confere ao formando o direito a receber um Certificado de Qualificações que descrimina a(s) unidade(s) de formação de curta duração concluída(s) com aproveitamento, para além do registo das mesmas na Caderneta Individual de Competências, nos termos da legislação aplicável.
O Certificado será imitido de acordo com a Portaria nº 474/2010 de 8 de julho, a qual estabelece o modelo de certificado de formação profissional que, no âmbito do Sistema Nacional de Qualificações, aprovado pelo Decreto-Lei nº 396/2007, de 31 de dezembro, se destina a certificar a conclusão com aproveitamento de uma ação de formação certificada inserida no Catálogo Nacional de Qualificações.


 

Partilhar