UFCD 6795 – Bovinicultura – ordenha e qualidade do leite

0.00

Evoluir

REF: 13853 Categorias: ,
Partilhar

Descrição

O setor agropecuário, pela sua dimensão económica, social e ambiental, detém um papel determinante para o desenvolvimento sustentado da Região Autónoma dos Açores. A economia do arquipélago dos Açores representa 2.1 % da economia portuguesa sendo a sua contribuição substancialmente mais importante no setor primário – agricultura, silvicultura e pescas.
Nos últimos anos registou-se um investimento na melhoria e modernização de infraestruturas do setor agropecuário devido a diversos fatores que impulsionaram a necessidade de reforçar o investimento na área da Agricultura. Um dos fatores prende-se com as alterações climáticas da atualidade que são uma preocupação para a sustentabilidade do setor agrícola. As constantes irregularidades e alterações do clima têm-se demonstrado um desafio aos profissionais que trabalham na área do setor agropecuário forçando o desenvolvimento de novas estratégias que façam frente a estas alterações. Por sua vez, o modelo capitalista do mercado tem-se refletido na agricultura, como noutras áreas, alterando as suas caraterísticas e necessidades. Um dos reflexos deste fenómeno foi o aumento do volume de exportações que revelou algumas fragilidades para fazer face ao solicitado.
Dada a importância do setor agropecuário na população do arquipélago dos Açores o desenvolvimento deste setor é crucial para um crescimento económico, de emprego, inclusão social e sustentabilidade ambiental.
Neste sentido a qualificação da população no que se refere ao setor agropecuário potencia a promoção da empregabilidade equilibrando as necessidades do mercado com os interesses e aptidões da população que, em parte, trabalha neste setor em crescimento.


Idade Mínima: 0
Idade Máxima: 0
Situação:
Habilitações Mínimas:
Habilitações Específicas:


– Identificar a constituição anatómica do úbere, o mecanismo da secreção do leite e os fatores condicionantes da capacidade produtiva leiteira de uma vaca.
– Descrever a constituição e funcionamento de uma máquina de ordenha.
– Efectuar a operação de ordenha e armazenamento do leite.
– Proceder à higiene e manutenção da sala de ordenha e do leite e dos respetivos equipamentos.
– Identificar os tipos e sinais de mamites, as formas de deteção e de profilaxia.
– Aplicar as normas sanitárias exigidas à produção e colocação do leite cru.


• Fatores condicionantes da capacidade produtiva leiteira
– Fatores ligados à fêmea e à ordenha
• Anatomia do úbere e fisiologia da lactação
– Anatomia e conformação do úbere
– Fisiologia da secreção láctea, da produção de leite e curva de lactação
• Sala de ordenha
– Dimensões e outros requisitos de construção
– Normativo aplicado
• Ordenha mecânica
– Máquina de ordenha – descrição e funcionamento
– Sistemas de ordenha, fases do processo e riscos
– Circuito do leite e armazenamento
– Higiene e manutenção da sala de ordenha e do equipamento de ordenha
• Sala do leite
– Refrigeração do leite
– Equipamentos de refrigeração, temperatura e tempo
– Higiene e manutenção da sala do leite e do equipamento de refrigeração
• Mamites
– Etiologia e tipo de mamites
– Sinais e deteção de mamites – testes de diagnóstico
– Defesas naturais da glândula mamária
– Profilaxia e tratamento de mamites
– Boas práticas na utilização de medicamentos de uso veterinário e prevenção de resíduos
• Qualidade do leite
– Composição físico-química, microbiana e sanitária do leite
– Fatores condicionantes da qualidade do leite
– Colheita de amostras laboratoriais
– Contraste leiteiro
– Normas sanitárias aplicáveis à produção, ordenha e colocação do leite cru
• Comercialização
– Classificação do leite ao produtor e valor comercial do leite – fatores determinantes
• Licenciamento das instalações
– Regulamentação em vigor e requisitos físicos das instalações
Certificação de explorações leiteiras
– Aplicação da metodologia de HACCP
– Registos
• Tratamentos de resíduos e efluentes da exploração
• Normas de bem-estar animal
• Registos e consulta de informação
• Boas práticas de segurança, higiene e saúde no trabalho



1 – Formação presencial/em sala (turma)


AVALIAÇÃO FORMATIVA OU CONTÍNUA
A avaliação formativa ou contínua permite obter informação sobre o desenvolvimento das aprendizagens, com vista à definição e ao ajustamento de processos e estratégias pedagógicas.
Critérios de avaliação formativa:
– a participação e motivação;
– a aquisição e a aplicação de conhecimentos;
– a mobilização de competências em novos contextos;
– o trabalho em equipa/grupo;
– a adaptação a uma nova tarefa;
– a pontualidade e assiduidade.
AVALIAÇÃO SUMATIVA OU FINAL
A avaliação de conhecimentos é composta por uma ou mais provas teóricas e/ou práticas de natureza formativa e sumativa. As provas de avaliação sumativa são de caráter individual, realizadas no final da ação de formação, com incidência nas temáticas abordadas no decorrer do curso.
As provas de avaliação de conhecimentos, corrigendas e pautas de avaliação, são concebidas e da responsabilidade do(s) formador(es).
A avaliação sumativa é expressa nos resultados de “Com Aproveitamento” ou “Sem Aproveitamento”, em função do formando ter ou não atingido os objetivos da formação. Considera-se “com aproveitamento” as pontuações iguais ou superiores a 10 valores e “sem aproveitamento” as pontuações inferiores a 10 valores, informação que constará na pauta de avaliação.

ESCALA DE AVALIAÇÃO: Na pauta de classificação final dos formandos e no certificado deve constar a menção qualitativa «com aproveitamento» ou «sem aproveitamento», considerando -se «com aproveitamento» as pontuações iguais ou superiores a 10 valores e «sem aproveitamento» as pontuações menores que 10 valores. As avaliações parciais e finais são pontuadas com base numa escala de 0 a 20 valores.

SERÁ CONSIDERADA FREQUÊNCIA COM APROVEITAMENTO SEMPRE QUE:
• A classificação final seja “Com Aproveitamento”;
• A assiduidade seja igual ou superior a 90% da carga horária total da formação;
• O comportamento seja adequado e ajustado ao local da formação.
Quando a ausência de um formando seja superior a 10% da carga horária total do curso e inferior a 3 sessões de formação, deverá a coordenação verificar os motivos pelos quais o formando faltou e se a avaliação sumativa valida o aproveitamento do formando. Em caso afirmativo, permitirá a certificação do formando, pois estão reunidas todas as condições para a sua aprovação e posterior certificação. Ainda assim, os formandos que tenham aproveitamento na avaliação sumativa, terão também que realizar um trabalho/teste de avaliação extra (escrito, prático ou oral), por forma a recuperar o número de horas que esteve ausente. Estas provas são da responsabilidade do(a) formador(a) e registadas em grelha própria cedida pela entidade formadora.


A frequência com aproveitamento confere ao formando o direito a receber um Certificado de Qualificações que descrimina a(s) unidade(s) de formação de curta duração concluída(s) com aproveitamento, para além do registo das mesmas na Caderneta Individual de Competências, nos termos da legislação aplicável.
O Certificado será imitido de acordo com a Portaria nº 474/2010 de 8 de julho, a qual estabelece o modelo de certificado de formação profissional que, no âmbito do Sistema Nacional de Qualificações, aprovado pelo Decreto-Lei nº 396/2007, de 31 de dezembro, se destina a certificar a conclusão com aproveitamento de uma ação de formação certificada inserida no Catálogo Nacional de Qualificações.


 

Partilhar