POISE – UFCD – 6582 – Cuidados de saúde a pessoas em fim de vida e post mortem

0.00

IBJC

REF: 14111 Categorias: ,
Partilhar

Descrição


Idade Mínima: 0
Idade Máxima: 0
Situação:
Habilitações Mínimas:
Habilitações Específicas:


Identificar noções básicas associadas aos fatores inibidores e promotores do bem-estar a pessoas em fim de vida.
Identificar as especificidades dos cuidados (alimentação, eliminação, higiene e hidratação) a prestar a utentes em final de vida.
Identificar noções básicas sobre as diferentes fases do luto e as formas de lidar com as mesmas.
Explicar que as tarefas que se integram no âmbito de intervenção do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde, terão de ser sempre executadas com orientação e supervisão de um profissional de saúde.
Identificar as tarefas que têm de ser executadas sob supervisão direta do profissional de saúde e aquelas que podem ser executadas sozinho.
Aplicar técnicas de cuidados ao corpo post-mortem.
Aplicar técnicas de auto-proteção em situações de agonia e sofrimento.
Explicar a importância de comunicar de forma clara, precisa e assertiva.
Explicar a importância de demonstrar interesse e disponibilidade na interação com utentes, familiares e/ou cuidadores.
Explicar a importância de manter autocontrolo em situações críticas e de limite.
Explicar a importância de se atualizar e adaptar a novos produtos, materiais, equipamentos e tecnologias no âmbito das suas atividades.
Explicar o dever de agir em função das orientações do Profissional de saúde.
Explicar o impacte das suas ações na interação e bem-estar emocional de terceiros.
Explicar a importância de respeitar os princípios de ética no desempenho das suas funções de Técnico/a Auxiliar de Saúde.
Explicar a importância da sua atividade para o trabalho de equipa multidisciplinar.
Explicar a importância de assumir uma atitude pró-ativa na melhoria contínua da qualidade, no âmbito da sua ação profissional.
Explicar a importância de cumprir as normas de segurança, higiene e saúde no trabalho assim como preservar a sua apresentação pessoal.
Explicar a importância de agir de acordo com normas e/ou procedimentos definidos no âmbito das suas atividades.
Explicar a importância de adequar a sua ação profissional a diferentes públicos e culturas.
Explicar a importância de adequar a sua ação profissional a diferentes contextos institucionais no âmbito dos cuidados de saúde.
Explicar a importância da cultura no agir profissional.
Explicar a importância de prever e antecipar riscos.
Explicar a importância de demonstrar segurança durante a execução das suas tarefas.
Explicar a importância da concentração na execução das suas tarefas.
Explicar a importância de desenvolver as suas atividades promovendo a humanização do serviço.
Explicar a importância de desenvolver uma capacidade de alerta que permita sinalizar situações ou contextos que exijam intervenção.
Explicar a importância de demonstrar compreensão, paciência e sensibilidade na aplicação adequada de técnicas de posicionamento, mobilização, transferência e transporte.


A prestação de cuidados de saúde a utentes em fim de vida
Factores inibidores de bem-estar
– Ansiedade
– Agressividade
– Depressão
– Baixa auto-estima
A prestação de cuidados de saúde a utentes em fim de vida
Factores promotores de bem-estar: necessidades físicas, psicológicas, sociais e espirituais
– Interacção positiva
– Resolução de Problemas
– Ajuda espiritual
Cuidar em final de vida
– Apresentação pessoal
– Aspectos específicos no apoio aos cuidados em final de vida
– Alimentação
– Eliminação
– Higiene e hidratação
– Sono e Repouso
– Controlo da dor e outros sintomas
– A especificidade da comunicação em cuidados paliativos
– A compreensão da dimensão espiritual
A morte e o luto
A morte numa instituição de saúde
A morte em casa
Os Cuidados do corpo post-mortem
As fases do luto
O acompanhamento e apoio à família
A auto-proteção em situações de sofrimento e agonia do utente, família e cuidadores
Tarefas que em relação a esta temática se encontram no âmbito de intervenção do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde
Tarefas que, sob orientação de um Enfermeiro tem de executar sob sua supervisão directa
Tarefas que, sob orientação de um Enfermeiro, pode executar sozinho/a



1 – Formação presencial/em sala (turma)




 

Partilhar